principiante
Agora você está lendo
Masayoshi Son – um homem que perdeu US$ 70 bilhões e não parou de investir
0

Masayoshi Son – um homem que perdeu US$ 70 bilhões e não parou de investir

criado Forex ClubAbril 2 2024

Masayoshi Son é um exemplo de que investir pode gerar uma fortuna ou causar problemas financeiros. A história dele mostra que mesmo quando você perde a maior parte de sua riqueza, você não deve desistir. Durante sua carreira de investidor, ele poderia estar certo e obter lucros espetaculares, mas também muito errado. Investimentos em... podem ser considerados um sucesso Alibaba, enquanto as tentativas de investimento e resgate foram um fracasso Nós trabalhamos. Ele é um dos investidores japoneses mais famosos de todos os tempos. Ele ficou famoso principalmente por estabelecer e administrar o SoftBank, uma holding de investimentos que investe em empresas de tecnologia. Vale a pena dar uma olhada na história deste investidor asiático único.

Primeiros anos: educação, McDonald's e os primeiros milhões

Masayoshi Son nasceu em 11 de agosto de 1957 na cidade japonesa de Tosu, localizada na ilha de Kyushu. O avô do nosso herói era um coreano que se mudou para o Japão, onde trabalhou como mineiro. A vida dos coreanos não era das mais fáceis naquela época, pois havia discriminação com base na origem. Uma das razões para a situação difícil da família era a falta de conhecimento da língua, os recursos financeiros limitados e uma sociedade bastante xenófoba. Devido à situação financeira mais difícil, a família de Sona teve que trabalhar muito. O pai de Masayoshi criava porcos e galinhas e desenvolveu a venda ilegal de saquê. Graças ao seu empreendedorismo, o pai do herói comprou o primeiro carro da cidade. A melhora na situação financeira da família permitiu que Masayoshi frequentasse uma escola melhor, o que certamente o estimulou a se desenvolver mais rapidamente.


LEIA: Japão – entre tradição e modernidade


Ele seguiu o exemplo de Dan Fajita, que construiu o negócio McDonald's no Japão. Masayoshi queria tanto conhecer seu ídolo que ligava para o escritório todos os dias e pedia para conversar um pouco com Fajita. Graças à sua persistência, ele alcançou seu primeiro grande sucesso. Ele se encontrou com ele para uma conversa de 15 minutos. Son foi incentivado por ele a aprender a usar um computador, que ele acreditava ter um grande potencial.

01 filho Masayoshi

Filho Masayoshi (2008). Fonte: wikipedia.org

Sua mudança com a família para os Estados Unidos foi um grande passo no desenvolvimento de sua futura carreira.. Masayoshi tinha 16 anos na época. Foi uma situação difícil para o jovem, mas certamente ajudou a moldar o seu caráter. Mudar-se para os EUA também ajudou a melhorar seu inglês e a apresentá-lo ao incipiente mundo dos computadores. Son foi então para a Universidade da Califórnia, onde estudou economia e a aplicação da ciência da computação à economia. Ele acreditava que o mundo estava à beira de outra revolução tecnológica, o que ainda não era certo naquela época. Todos os dias ele passava alguns minutos por dia tendo novas ideias, que depois tentava transformar em renda. Depois de um ano, ele tinha um caderno cheio de 250 inovações potenciais. Alguns deles foram monetizados.

Mesmo quando estudante, Son tinha talento para administrar um negócio. Seu interesse por tecnologia o levou a inventar seu próprio ET (Tradutor Eletrônico), que vendeu por US$ 1,7 milhão para a Sharp Corporation. Ele ganhou milhões a mais importando máquinas de videogame usadas do Japão. As máquinas foram instaladas em restaurantes e bares. Depois de se formar, ele vendeu sua empresa de videogame por US$ 2 milhões. Graças a isso, ele se tornou milionário ainda jovem. Ele poderia desacelerar e viver do dinheiro que ganhasse, investindo em empresas estáveis. No entanto, a sua ambição não lhe permitiria fazê-lo. Ele decidiu voltar ao Japão. O dinheiro tornou mais fácil para ele combater os estereótipos.

Retorno ao Japão: o caminho de milionário a bilionário

Masayoshi voltou ao Japão porque prometeu à mãe. Graças aos fundos que arrecadou e à educação noutro país, não teve medo de tomar decisões e não teve vergonha das suas origens. Depois de anos nos Estados Unidos, ele acreditava que a tecnologia mudaria vidas. Regressar ao Japão foi uma boa ideia porque o país estava a registar um rápido crescimento económico. Na década de 80, houve um grande boom no mercado local. As ações e os imóveis disparavam. Naquela época, o Japão era admirado como a China é agora. Segundo alguns, deveria ultrapassar os Estados Unidos em termos de PIB dentro de algumas décadas. Até Lech Wałęsa mencionou que iria transformar a Polónia num "segundo Japão". Certamente, desenvolver um negócio na década de 80 na Terra do Sol Nascente foi uma boa ideia.

Masayoshi está intimamente ligado à história do Softbank, esta empresa tornou-se “filha” de um investidor japonês.

Criação do Softbank

02 Sede do Softbank

Sede do Sofrbank em Tóquio. Fonte: wikipedia.org

Em 1981, Masayoshi Son fundou o Softbank, que inicialmente lidava com distribuição de software. Naquela época, essas empresas eram um dos elementos-chave do mercado de TI. Isto deveu-se ao facto de os produtores de software não terem um acesso tão fácil aos clientes como têm agora. Portanto, uma rede de distribuição estacionária eficiente era crucial naquela época. Depois de apenas um ano, a empresa diversificou suas atividades e passou a publicar as revistas Oh!. PC e Ah! MZ, que eram as maiores revistas de tecnologia do Japão.

No entanto, este não é o fim da política de diversificação empresarial. Em 1984, a Japan Telecom foi fundada e operava no mercado de serviços de telecomunicações. Graças ao desenvolvimento deste segmento, o Softbank tinha dois negócios que proporcionavam lucros estáveis ​​​​com distribuição, publicação de revistas e venda de serviços de telecomunicações. O caixa gerado foi utilizado para aumentar ainda mais as participações de mercado e investir em novos empreendimentos.

O estouro da bolha acionária e imobiliária na virada das décadas de 80 e 90 não impediu os planos de estreia na bolsa. IPO ocorreu em 1994 com uma capitalização de US$ 3 bilhões. O caixa obtido na estreia foi utilizado para novas aquisições.

Em 1995, o Softbank focou-se em atividades de investimento, onde procurava entidades com grandes perspectivas. Na década de 90, ele investiu US$ 3 bilhões em cerca de 800 startups. A maioria deles não teve sucesso, mas ele sabia que os investimentos individuais cobririam mais do que as perdas de negociações anteriores. Um exemplo de investimento não muito bem-sucedido é o Ziff Davis, pelo qual o Softbank pagou US$ 2,1 bilhões. A transação tinha como objetivo diversificar geograficamente as atividades editoriais. O portfólio de websites também pareceu atraente. Naquela época, algumas pessoas acreditavam que alguns deles poderiam alcançar valores enormes no futuro. Infelizmente, o investimento em Ziff Davis não se revelou uma mina de ouro. No final das contas, o Softbank conseguiu vender as ações com um lucro decente (cerca de US$ 273 milhões).

Em 1996, o Softbank iniciou a cooperação com uma empresa americana de Internet Yahoo!. Como parte da cooperação, foi criado o Yahoo!. Japão, que se tornou o site mais popular do Japão. Esta cooperação baseou-se nas expectativas relativas às receitas futuras resultantes da monetização dos utilizadores (publicidade, acesso pago a conteúdos extensos, outro local para adquirir clientes para serviços de telecomunicações). Em poucos anos, ele investiu US$ 374 milhões na empresa. Em 2004, a Wired informou que o patrimônio líquido do Yahoo! O Japão aumentou 50 vezes.

O Softbank também teve muitos investimentos fracassados. Estas incluem a compra de 80% das ações da Kingston Technology. O Softbank pagou US$ 1,5 bilhão em dinheiro e ações pelas ações. A razão foi que o mercado de memória estava se desenvolvendo de forma dinâmica. Masayoshi esperava que as receitas e lucros da Kingston disparassem, então o preço atual é uma promoção. Infelizmente, após apenas 3 anos, descobriu-se que a procura pelos produtos Kingston era muito mais fraca do que o previsto. Como resultado, o Softbank decidiu abandonar o investimento em 1999. O comprador foram… os proprietários anteriores (John Tu e David Sun). Eles recompraram 80% das ações por aproximadamente US$ 450 milhões. O investimento de Masayoshi não teve sucesso.

03 Kingston

Logo Kingston. Fonte: wikipedia.org

O estouro da bolha pontocom – ou como perder US$ 70 bilhões

O boom das empresas de tecnologia na década de 90 foi uma época fascinante no mercado de ações. As empresas deste setor cresciam como ervas daninhas. Houve muitos milionários que se tornaram bilionários investindo em empresas individuais. Havia a crença de que a revolução tecnológica mudaria o mundo inteiro. Os antigos ramos da economia deveriam ser rapidamente digitalizados, enquanto o comércio passaria rapidamente a ser online. Como descobri mais tarde, as expectativas eram muito altas. A digitalização e a digitalização ocorreram de facto na economia, mas não demorou alguns anos, mas sim uma década. Como resultado, as previsões das empresas para um crescimento rápido foram revistas em baixa ao longo do tempo. Isso resultou em avaliações “pontocom”. Entre as empresas nas quais os investidores perderam enormes quantias de dinheiro estavam estrelas como Pets.com e Webvan. Grandes empresas como a Cisco também perderam várias dezenas de por cento em valor.

Logo antes explosão de bancos pontocom Carteira de Mayasoshi cresceu a uma taxa de US$ 10 bilhões por semana. Claro que não foi um fluxo de caixa, mas sim um aumento no valor das ações das empresas. Numa entrevista de 2017 com David Rubinstein na Bloomberg, Masayoshi mencionou que no topo da bolha ele era o homem mais rico do mundo. Como ele mesmo disse, antes de contar aos amigos, suas ações começaram a cair drasticamente. Em 2000, as ações do Softbank foram avaliadas em 198 mil ienes, mas dois anos depois o preço caiu para 000 ienes. Como resultado do crash, sua fortuna diminuiu em US$ 70 bilhões (ou 90%). Como resultado, ele esteve perto da falência. No entanto, a situação do mercado se acalmou e Masayoshi rapidamente extinguiu os incêndios que eclodiram em sua organização durante a crise. Ele então decidiu investir em empresas mais seguras. Um exemplo seria a aquisição da Vodafone Japão através da contratação de um empréstimo significativo. Vodafone começou a vender smartphones Apple exclusivamente, o que ao longo do tempo proporcionou enormes receitas. No entanto, Son teve que esperar mais alguns anos pelo investimento de sua vida.

Investimento para toda a vida – Grupo Alibaba

04Jack Ma

Jack Ma, fundador do Alibaba. Fonte: wikipedia.org

Acontece que uma transação mais do que compensa muitas transações malsucedidas. Um deles foi feito pela SoftBank em 2000. A empresa investiu em uma entidade chinesa que atua no mercado digital. Em retrospectiva, parece que comprar uma empresa de tecnologia no auge da bolha pontocom não deveria ter sido uma boa ideia. Mas desta vez foi diferente. Masayoshi Son decidiu investir numa start-up chinesa fundada por um ex-professor de inglês. Jack Ma não tinha plano de negócios nem receita significativa. Masayoshi ficou encantado com Jack Ma porque achava que ele tinha carisma e olhos brilhantes. Son confiou em seus instintos e decidiu investir no incipiente Alibaba.

A quantia era grande porque chegava a US$ 20 milhões. Considerando toda a fortuna de Son, o investimento não parecia muito. No entanto, vale a pena olhar desta perspectiva que o Softbank investiu tal montante numa pequena empresa chinesa que não tinha uma posição dominante no mercado nem uma grande base de clientes. A Alibaba estava apenas a construir uma plataforma de comércio eletrónico para pequenas e médias empresas na China. Vale lembrar que naquela época o Império Médio não era muito desenvolvido em termos de acesso à Internet. Portanto, foi uma das muitas apostas arriscadas que a empresa japonesa fez. A maioria dos investimentos em startups fracassa, mas este valeu a pena. De acordo com estimativas do The Wall Street Journal, até 2023 o Softbank ganhou aproximadamente US$ 72 bilhões com todo o investimento. Dinheiro impressionante. Uma taxa de retorno tão elevada resultou de vários fatores, incluindo:

  • desenvolvimento dinâmico do mercado chinês de comércio eletrônico,
  • entrando no comércio varejista (Taobao, Tmall),
  • criação de um negócio fintech (Alipay).

A empresa cresceu rapidamente e conquistou uma posição dominante no mercado de comércio eletrônico na China. Alipay também se tornou uma solução que revolucionou o mercado de pagamentos sem dinheiro. A partir desse momento, bastava baixar o aplicativo para o seu celular, recarregar sua conta com fundos e pagar pelos serviços escaneando o código QR. Em 2014, o Alibaba realizou um IPO nos Estados Unidos. O sucesso do investimento no Alibaba fez a estrela de Masayoshi brilhar novamente. Isso tornou seu próximo grande projeto mais fácil: Fundo de Visão.

Vision Fund, ou como conseguir US$ 45 bilhões em 45 minutos

Vision Fund é outra ideia de investimento de Masayoshi Son. O fundo foi criado em 2017 e rapidamente arrecadou US$ 100 bilhões em capital de investimento. Masayoshi gabou-se numa entrevista a Rubinstein de que, durante uma conversa na Arábia Saudita, o convenceu a investir 45 mil milhões de dólares em 45 minutos. Os maiores investidores no projecto foram o Fundo de Investimento Público (45 mil milhões de dólares), o Softbank (28 mil milhões de dólares) e a Mubadala Investment Company (15 mil milhões de dólares). O restante dos fundos foi fornecido por investidores menores, incluindo a Apple.

O próprio fundo deveria investir em empresas de tecnologia em vários estágios de desenvolvimento. O objetivo era adquirir ações de empresas que tivessem uma ideia para perturbar setores desenvolvidos da economia (por exemplo, transportes, finanças, imobiliário), bem como aquelas que se concentrassem em novas tendências (por exemplo, inteligência artificial). Infelizmente, isso era visível nos primeiros anos de operação Efeito FOMO. O Vision Fund investiu em vários empreendimentos que se revelaram erros de investimento. Entre eles podem ser mencionados Nós trabalhamos, que mais tarde teve de ser resgatado (com maus resultados) pelo Softbank. O fundo investiu em empresas bem conhecidas (por ex. Uber), bem como startups em estágio inicial como Crius (desenvolvimento de carros autônomos). No entanto, em 2020, nuvens negras se acumularam sobre o Softbank e o fundo. Ativistas da Elliott Management compraram ações do Softbank por US$ 2,5 bilhões e exigiram maior transparência no Vision Fund e na própria empresa. Em maio de 2020, a VF informou que havia perdido US$ 18 bilhões em investimentos malsucedidos. Começaram as demissões e a reorganização da empresa. A posição de Son foi prejudicada, o que resultou na recolha do segundo Vision Fund de apenas metade dos 108 mil milhões de dólares planeados. Contudo, a injecção de liquidez introduzida pelos bancos centrais fez com que os activos do Vision Fund crescessem muito rapidamente. Grandes lucros provenientes de investimentos no Coupang coreano (a versão nativa da Amazon) ajudaram.

Apesar do aumento dos activos, o fundo ainda cometeu erros espectaculares, incluindo: em investir em Katerra, Wirecard ou Zymergen. Em agosto de 2022, a VF relatou uma perda de US$ 23 bilhões no segundo trimestre de 2022. Como resultado, ele decidiu reduzir o emprego. Começaram a aparecer acusações de que a estratégia de Masayoshi estava fazendo papel de bobo. Isto significa que comprou ações de empresas populares a um preço elevado, acreditando que as rondas subsequentes de financiamento aumentariam as suas avaliações. Curiosamente, o Vision Fund investe em projetos competitivos. Ao mesmo tempo, detinha participações, entre outras, Em Didi, Agarrar oraz Uber.

soma

Masayoshi Son é sem dúvida uma das figuras mais expressivas no mundo dos investimentos. Alguns o amam por sua visão de longo prazo, outros o acusam de ser muitas vezes muito descuidado com os riscos. A intuição, sua força, é também sua maior fraqueza. Graças a isso, ele ganhou muito dinheiro com o Alibaba, mas também perdeu bilhões de dólares em seu investimento na WeWork. As pessoas mais intransigentes dizem que este “Bill Gates Japonês” gosta de bancar o maior idiota. As perdas espectaculares em 2000, 2020 e 2022 sugerem que existem de facto alguns problemas na gestão do risco. Por outro lado, pode ser uma estratégia bem pensada. As massas sabem que investir em empresas tecnológicas proporciona retornos igualmente espectaculares, acompanhados de volatilidade. Sua riqueza prova que Masa sabe o que está fazendo. Afinal, acumular 31 mil milhões de dólares em património líquido (dados de 2024) não pode ser uma coincidência. Masa certamente não tem medo do risco e pode usá-lo com sucesso alavancagem financeirapara multiplicar os lucros. Mais uma conclusão pode ser tirada da história de Son: às vezes, um ou dois bons investimentos podem preparar qualquer investidor. Basta um pouco de coragem, sorte e paciência para deixar seus lucros crescerem.

O que você acha disso?
Eu
50%
interessante
50%
Heh ...
0%
Chocar!
0%
Eu não gosto
0%
ferimento
0%
Sobre o autor
Forex Club
O Forex Club é um dos maiores e mais antigos portais de investimento da Polônia - ferramentas de câmbio e negociação. É um projeto original lançado em 2008 e uma marca reconhecida focada no mercado de câmbio.